terça-feira, 19 de Maio de 2009

Em que consiste o nosso trabalho?



O nosso projecto é teorico-prático e incide essencialmente no trabalho voluntario numa população numa faixa etária avançada;


Teoricamente:
  • Tem o objectivo de sensibilizar para a prática do voluntariado;

  • Foca ainda uma componente sobre a faixa etária a que nos debruçamos.

  • Valorização dos idosos

A nível prático:

  • Intervimos num lar onde realizamos várias actividades

  • Tem o objectivo de quebrar a monotonia dos idosos, mantê-los activos, dár-lhes mais conforto;

  • Criar momentos de alegria, simples mas memoráveis para eles;

  • Interacção entre gerações

  • Principal preocupação: que a nossa intervenção incentive a uma continuidade do projecto quer pela direcção do lar, quer pelos próprios utentes.

Composição do trabalho:

  • Portefólio: decorrer do trabalho;
  • Trabalho teórico: Todos os resultados do trabalho;
  • Blog: Sintese de todo o trabalho para que todos tenham acesso;
  • Mini-Exposição de sensibilização.

Voluntariado





Fazer voluntariado é DAR, é ter vontade de Modificar o mundo, é juntamente com os outros, empenharmo-nos, expressando o exercício livre de cidadania.


O Papel das Redes Sociais


As estruturas de apoio informal desempenham um papel fundamental principalmente a nível emocional, visto que os familiares têm pouco tempo para outros apoios.O apoio emocional é insubstituível e faz com que o idoso não se sinta um inútil.
.
Nas estruturas de apoio formal inserem-se os Lares, centros de dia e serviços de apoio domiciliário.
Com a falta de tempo da família estas instituições são uma opção, dando resposta a todas as necessidades que a idade do utente exige, com:
  • Cuidados físicos e psicossociais;
  • Satisfação das necessidades básicas;
  • Aumento as suas relações interpessoais;
  • Quebra de isolamento.

Problemas enfrentados pelo idoso

Na sociedade de hoje os idosos são pouco valorizados, sendo vistos como um estorvo.


A sociedade de hoje cria modelos valoriza ainda muito a juventude e a beleza, onde os idosos nem sempre se inserem.




É necessária uma mudança de mentalidades, porque um dia vamos ser nós a sentir esta exclusão!

.
Valoriza o idoso de hoje para garantir o idoso de amanhã, TU!

Doenças que mais afectam os Idosos

Como se sabe os idosos são a faixa etária que mais vulnerável está a doenças, inclusivé existem doenças que só surgem a partir de determinada idade.

Alzheimer


  • É uma doença degenerativa, até agora sem cura e terminal;
  • Foi descrita pela primeira vez em 1906 pelo psiquiatra alemão Alois Alzheimer;
  • Cada paciente de Alzheimer sofre a doença de forma única mas existem pontos em comum, como a perda de memória.

A evolução da doença está dividida em quatro fases:

  • Predemência, com a perda de memória a curto prazo, perda a flexibilidade no pensamento e de dar atenção a algo;

  • Demência inicial, em que as memórias mais antigas são as menos afectadas, há dificuldade na execução de movimentos e há um desleixo na execução de actividades;

  • Demência moderada, em que o paciente vai perdendo a capacidade de fazer as mais simples tarefas diárias;
  • Demência avançada, em que a sua linguagem está reduzida, a sua massa muscular e a sua mobilidade degeneram-se e fica encamado.

Alguns concelhos para lidar com doentes de Alzheimer

Como se comunica com o doente de Alzheimer?

  • Olhe olhos nos olhos, quando conversam;
  • Permaneça calmo e fale pausadamente;
  • Evite ruídos (TV, rádio...)

Vaguear, deambular e andar sem rumo é um perigo. O que fazer para o minimizar?

  • Previna os vizinhos e comerciantes próximos do estado do doente;

  • Se o doente quiser sair de casa, não deve impedi-lo de o fazer, vigiando-o à distância.

O que fazer quando o doente se mostra agressivo?

  • Procure compreender o que originou a reacção agressiva;
  • Evite discutir ou ralhar;
  • Procure manter-se calmo.


Como prevenir que surjam crises de agressividade?

  • Não seja demasiado exigente com a rotina diária do doente;
  • Deixe que o doente faça o que ainda lhe é possível fazer, ao seu ritmo;
  • Ajude, mas de forma a não parecer estar a dar ordens.

Parkinson

Primeiramente descrita por um médico inglês, James Parkinson em 1817, a doença de Parkinson é uma doença do sistema nervoso e caracteriza-se por:

  • Tremor durante o repouso;
  • Lentidão de movimentos;
  • Rigidez muscular.

Pode aparecer em qualquer idade, mas é pouco frequente em pessoas com menos de 30 anos. O risco de ter esta doença aumenta com a idade, tem maior incidência nos homens.

Inicialmente o doente pode ter sintomas como:

  • Sensação de cansaço;
  • Alterações na fala, pouco articulada;
  • Difícil movimentação de um dos membros;
  • Movimentos mais vagarosos.

Numa fase mais avançada da doença seguem-se outros sintomas:

  • Tremores;
  • Rigidez muscular;
  • Dificuldade em andar e equilibrar.
Não foi encontrada nenhuma cura para a doença de Parkinson, mas existe medicação que ajuda a ultrapassar vários sintomas.

Existem práticas que podem ajudar a manter a qualidade de vida do doente:

  • A medicação não trata por completo a doença, mas permite ao paciente manter as suas actividades diárias;
  • Praticar actividades físicas regularmente contribui para manter a mobilidade nas pessoas afectadas pela doença de Parkinson;
  • A fisioterapia e as ajudas mecânicas (como as cadeiras de rodas) apoiam a autonomia do doente;
  • É importante uma dieta rica em fibras, para combater a obstipação (prisão de ventre) que pode ocorrer devido à inactividade, à desidratação e ao uso de alguns medicamentos.

Esquizofernia


A Esquizofrenia é uma doença psiquiátrica e é provavelmente a mais angustiante e incapacitante de todas elas.

Estas pessoas com esquizofrenia sofrem de sintomas psicóticos. Entre estes, contam-se as alucinações (observar as coisas de forma diferente), delírios, alterações do pensamento ou medo.








Tratamento

Embora não haja nenhuma cura para a esquizofrenia, esta é uma doença tratável e controlável. Contudo, as pessoas podem parar o tratamento por causa dos efeitos laterais da medicação, do pensamento desorganizado ou porque sentem que a medicação deixou de fazer efeito. Os doentes que param de tomar a medicação prescrita correm um risco elevado de sofrerem uma recaída de um episódio psicótico agudo.



Os efeitos laterais comuns dos fármacos usados para tratar a esquizofrenia são: boca seca, prisão de ventre, visão turva e sonolência. Algumas pessoas ficam com menos desejo sexual, têm alterações menstruais ou sofrem um aumento significativo de peso. Outros efeitos secundários relacionam-se com os músculos e com o movimento, como inquietação motora, rigidez, tremores e, provavelmente, o efeito mais desagradável e grave dos medicamentos antipsicóticos: a discinesia tardia. Esta consiste em movimentos faciais incontroláveis e de outras partes do corpo.

Local onde intervimos

Para o nosso trabalho escolhemos ajudar os idosos através de um lar.

Mas porquê um lar de idosos?

Ajudar um lar de idosos chamou especialmente a nossa atenção, isto porque normalmente os idosos são os mais esquecidos pela nossa sociedade, além disso o facto de interagir e conviver com eles sensibiliza-nos e ajuda-nos a compreender outra realidade com a qual não estamos habituados a lidar e que só nos trás sabedoria e nos mostra a verdadeira escola, a Escola da Vida!





Apesar de pesquisar-mos o contacto de várias instituições houve um lar que nos captou a atenção e por isso foi o que contactamos primeiro, conseguindo logo uma resposta positiva. O nosso objectivo é ajudar esta instituição quer a nível material e de conforto (decoração, recolha de bens materiais e alimentares necessários) quer a nível afectivo (organização de festas, horas de convivo e intercalar de gerações), mas principalmente fazer com que os utentes fiquem mais activos e alegres com a nossa intervenção e que mesmo com o fim do nosso projecto continuem a realizar actividades.

História do Lar



Actualmente foi construído um anexo no jardim do lar, de onde ficamos encarregues da inauguração e de alguma decoração.


População do lar



Além destes, o lar ainda dá apoio domiciliário a 14 idosos.

Recursos Humanos do Lar

O lar stá dotado de alguns profissionais que trabalham para o bens estar destes idosos:

  • Uma assistente social;
  • Três enfermeiras;
  • Duas cozinheiras;
  • Uma ajudante de cozinha;
  • Uma empregada de limpeza;
  • Uma empregada de lavandaria;
  • Sete ajudantes de acção directa;
  • Três auxiliares gerais.

Contudo tem algumas necessidades neste campo, tais como:

  • Geriatria;
  • Psicologia da pessoa idosa;
  • Trabalho com os familiares dos utentes;
  • Relações interpessoais;
  • Gestão de conflitos;
  • Atendimento ao público;
  • Trabalho administrativo;
  • Informática;
  • Animação de grupos;

Festa de Magusto

















Preparação da festa

· Fizemos pesquisas sobre o S. Martinho; · Fizemos “contratos” com os nossos colegas para a participação na festa;
· Recolhemos ouriços e folhas para a decoração da sala;
· Pedimos ajuda aos nossos colegas que contribuíram para o lanche;

Decorrer da festa

· Logo a seguir às aulas fomos para o lar começar a preparar a sala para a festa;
· Chegaram os nossos colegas e começamos a festa ás 15:15; · Toda a turma participou, uns com poemas, outros com adivinhas, canções…
· Houve dança, desgarrada, entre outros entretenimentos que animaram os utentes do lar;



.

video

Festa de Natal

Para a preparação da festa de Natal

  • Dirigimo-nos a vários estabelecimentos de Santo Tirso para nos ajudarem a nível alimentar e material (presentes de Natal);
  • Sorteamos um cabaz de Natal através da venda de rifas para angariação de algum dinheiro para organizar a festa de Natal e as próximas;
  • No dia 9 de Dezembro de 2008 fomos ao lar fazer a decoração de Natal;
  • Compramos prendas de Natal e alimentos em falta;
  • Preparamos poemas, contos …
  • Pedimos ás Senhoras do convívio para prepararem canções de forma a fazê-las sentirem-se úteis e activas, concretizando um dos nossos objectivos.
Decorrer da festa

  • Antes de ir para o lar recolhemos os alimentos fornecidos por estabelecimentos;
  • Cantamos músicas e contamos um conto de Natal;
  • As utentes cantaram as suas canções preparadas ao longo das semanas;
  • Entregamos as prendas, momento que ninguém estava á espera;
  • Deu-se início ao lanche;
  • No final foi tirada uma foto de grupo com todos os idosos.




.
video

Festa de Aniversário do Lar e Inauguração do Anexo

Preparação da Festa de Aniversário do lar e inauguração do anexo
  • Procura de patrocínios para fazer a moldura;
  • Venda de velinhas para angariação de fundos;
  • Procura de patrocínios para o lanche;
  • Contactos com a fadista Menita para animar a festa.

Decorrer da festa
  • Antes de ir ao lar fomos recolher os alimentos;
  • Cantamos os Parabéns e oferecemos uma prenda (Foto de grupo emoldurada em ponto grande);
  • Lanche e fados com a Fadista Menita;
  • Intercalando com os fados houve música em que dançaram e cantaram;
  • Anedotas e brincadeiras.




.
video

Festa Final



Preparação da última festa
  • Procura de patrocínios;
  • Pedido de ajuda á Junta de Freguesia de Santa Cristina do Couto e á Câmara Municipal de Santo Tirso;
  • Contactos com a D. Filomena que convidou outros fadistas e guitarristas.


Decorrer da festa
  • Actuação das senhoras do convívio com músicas acompanhadas de instrumentos e fados;
  • Actuação de quatro fadistas, um fadista humurista e dois guitarristas;
  • Lanche e convívio;
  • Música para dançar.



.

video

Opiniões

“Eu gostei! Mostra-nos um lado que talvez mais tarde sejamos nós e de certa parte chocou-me determinadas situações. Se for preciso mais alguma colaboração podem contar comigo!”

“Gostei de ir à festa de Natal das minhas colegas (Isa, Raquel e Mafalda). Fazem bem em realizar este tipo de festas para colocar os idosos em acção, em movimento (a abanar o esqueleto). Continuem com a comida de graça, assim tira-nos o trabalho de traze-la … LOL.”

“Gostamos imenso da festa. A festa foi muito animada e a que senhora cantava o fado, cantava muito bem e os idosos pareceram divertir-se muito.”

“Penso que o trabalho foi muito positivo e exigiu uma grande entrega e dedicação de cada elemento do grupo. Para a realização do trabalho foi necessário realçar uma grande faceta humana. É de louvar o facto de dirigirem o trabalho para os menos lembrados na sociedade, os idosos.”

Agradecimentos

Foram vários os estabelecimentos e pessoas que contribuiram para a concretização do nosso projecto e a eles queremos agradecer:

Estabelecimentos

Padaria, Pastelaria Silva
Vanda
Pinturas
Kulto
Analogia
Papelaria Bazar Central
Novarte
Tintoretto
Cristo Rei
Confeitaria Moura
Fotostudio
Decoração Ramos
Bazar S. Bento
Bazar Galáxia
Farmácia Central
Loja de Faria D’Almeida
Confeitaria Algarve
Confeitaria Doce Parque
Graça Cabeleireiros
“FotoLuís”
“FotoGeno”
Talho Boi do Povo
Confeitaria Lagoa
Snack-Bar Imperial
Supermercado Gruta
Padaria Lino
Horto da Cidade
Fadista Menita
FotoStudio

Pessoas que nos ajudaram:

Todos os professores da turma
Toda a turma que sempre que pôde esteve presentes nas festas
Mãe da Isa e Mãe da Mafalda com transportes

Ao lar

Conclusão

No decorrer deste trabalho enfrentamos várias dificuldades mas conseguimos sempre uma solução. Conseguimos alcançar todos os objectivos:

  • Criar horas de convívio aos idosos;
  • Torná-los mais activos;
  • Realizar festas (foram realizadas quatro festas);
  • Intercalar gerações (com o apoio de toda a turma);
  • Criar mais conforto a um espaço do lar contribuindo para a sua decoração;
  • Fazer com que os idosos por sua iniciativa dêem continuidade ao nosso projecto com canções danças e brincadeiras.
  • Fazer uma pequena exposição;
  • Criar um blog;
  • Elaborar um trabalho teórico.

Foi um projecto bastante trabalhoso e em que é necessária toda a atenção, pois trabalhamos com pessoas, idosos, e tivemos a responsabilidade de não os desiludir, pois o sinal que temos de que o projecto está a correr bem é a partir da sua boa reacção.

É essencialmente um trabalho de afectos e dedicação, não dizemos que foi um projecto, mas sim que ainda o é, e que será, pois esses afectos não terminam com o fim do ano lectivo.